Governo da Grã-Bretanha vai contratar consultorias para ajudá-lo a lidar com o Brexit

O governo britânico está oferecendo a empresas de consultoria £1,5 milhões (R$ 6,1 milhões) para seis meses de trabalho afim de ajudá-lo a lidar com o processo de deixar a União Europeia, agora que a Grã-Bretanha iniciou formalmente o processo de Brexit.


Este artigo foi originalmente publicado no portal Business Insider

De acordo com a matéria publicada no dia 02 de Abril no Financial Times, o Departamento de Saída da União Europeia - formado no verão de 2016 e liderado pelo secretário do Brexit, David Davis -  apresentou o seu primeiro contrato relacionado ao Brexit para o setor privado.

Espera-se que as empresas ajudem a reunir 729 diferentes planos criados pelos departamentos governamentais relacionados ao Brexit desde o referendo. É esperado também que sejam dados conselhos em certos desafios relacionados ao Brexit, incluindo política agrícola.

Grandes empresas incluindo todas das chamadas “Big 4” - KPMG, EY, Deloitte e PwC - assim como PA Consulting, são pensadas para a licitação para o contrato, FT reporta.

"Não podemos comentar contratos específicos, mas, como seria de esperar, o departamento continua a desenvolver os seus planos para conseguir uma saída tranquila e ordenada da UE... Continuaremos a garantir que o departamento disponha de recursos adequados para o fazer, incluindo a contratação de especialistas, quando necessário ", afirmou o Departamento de Saída da União Europeia em comunicado ao Financial Times.

Embora não seja incomum para o governo dar trabalho para o setor privado, notícias do contrato sendo oferecido vem um pouco depois de uma semana de o relatório do National Audit Office (NAO) mostrar que Downing Street está lutando para recrutar o número de funcionários públicos que precisa para lidar com a Brexit.

O NAO - órgão responsável por auditar os departamentos governamentais e assegurar que suas contas estão em ordem - disse no final de março que o 10 Dowing Street (sede do governo britânico) só ocupou cerca de dois terços dos empregos anunciados no Departamento de Saída da União Européia e Departamento de Comércio Internacional.

"A partir de fevereiro de 2017, a função pública criou mais de mil novos cargos nos novos departamentos e em outros lugares para se preparar para sair da UE e negociar novos acordos comerciais", disse o relatório da NAO intitulado "Capability in the civil service".

"Dois terços dos cargos foram preenchidos, principalmente através da transferência de funcionários de outros lugares do governo. Não houve um aumento proporcional no tamanho geral do serviço público".


Fonte: Business Insider

 

https://goo.gl/4IsiB9