Espírito colaborativo: entenda a cultura da consultoria

Saiba mais sobre o ambiente corporativo e a relação com o cliente cultivados pela consultoria estratégica A. T. Kearney.


Este artigo foi originalmente publicado no portal Na Prática

 

A.T.-Kearney-Consultoria-Estrategica.jpg

Fonte: Na Prática

 

Qual foi a última vez que você comprou um produto feito sob-medida, exclusivamente para você? Segundo Rafael Souza Cunha, analista sênior da A.T. Kearney, é exatamente esse o trabalho de uma consultoria: oferecer uma solução específica para um problema específico. “Queremos entregar o produto mais personalizado possível, esse é nosso grande valor”, defende.

Há 21 anos no Brasil, com escritório em São Paulo, a A.T. Kearney está entre as consultorias mais tradicionais do mundo. Fundada em 1926 nos Estados Unidos, foi uma das pioneiras na área estratégica de alto nível, voltada a auxiliar CEOs e diretores em suas decisões. Andrew Thomas Kearney, o fundador, tinha ajudado a construir a consultoria McKinsey, então recém-formada em Chicago, mas saiu para abrir sua própria empresa.

Quando comparada às big three (grupo que reúne as três maiores consultorias estratégicas: McKinsey, Bain e Boston Consulting Group), a A.T. Kearney possui menos escritórios e consultores, embora já esteja presente em mais de 40 países – é uma empresa global. João Caetano Almeida, associate, prefere dizer que “a empresa tem escala própria”. O que isso significa? “Somos grandes o suficiente para impactar e pequenos o suficiente para estar próximo dos clientes”, diz.

As metas de crescimento, no entanto, são bastante ambiciosas. A consultoria estabeleceu a missão de se tornar líder do segmento até 2020, e para isso pretende dobrar de tamanho. Em outras palavras, deve ir de ~3000 para ~6000 funcionários, o que significa um número grande de contratações nos próximos cinco anos.

 

A cultura camaleônica da A.T.Kearney

Essa pretensão de crescimento não deve mudar a proximidade com o cliente, um dos pilares da cultura A.T. Kearney. “Nossa filosofia é de entender os problemas e construir as soluções sempre junto com o cliente”, explica François Santos, um dos sócios no escritório brasileiro. “A gente tenta levar para dentro do cliente o conhecimento que ele precisa”, complementa João Caetano. “É comum mudarmos nosso jeito de falar e de se vestir para estar mais próximo do cliente, para se relacionar com as pessoas como se fôssemos parte daquela empresa”, conclui.

“Um de meus projetos foi em uma fábrica petroquímica, e no mesmo dia eu conversei tanto com o pessoal que trabalhava nas máquinas como com o CEO”, conta Rafael. “O contato com as pessoas do dia-a-dia é essencial para a nossa análise. Não queremos ser os caras de terno que chegam com todas as respostas, que ficam trancados em uma sala”, completa. Esse comportamento camaleão rendeu à empresa uma reputação global de consultores que arregaçam as mangas e botam a mão na massa dentro das companhias.

A A.T. Kearney também é conhecida por atuar de forma altamente colaborativa, característica comum no mercado de consultorias. “Escolher um perfil de empresa que se adaptasse ao meu jeito sempre foi muito importante para mim. Aqui eu acho que essa história de criar relações boas entre as pessoas é muito forte, eu me dou bem com todo mundo e todos são bastante acessíveis para qualquer assunto”, explica Rafael. A cada dois anos, esse espírito de time é levado ao pé da letra durante o campeonato mundial de futebol da empresa – em 2014, times de cada escritório tiveram a chance de jogar no Estádio Olímpico de Berlim, na Alemanha.

 

AT-Kearney-Cultura.jpg

Fonte: Na Prática (reprodução)

 

Ainda assim, os executivos da consultoria insistem em dizer que mantêm espírito de startup. “Para mim, startup é uma empresa que ainda não está totalmente pronta, onde os funcionários ajudam a criar a personalidade. Aqui nós temos um pouco disso, existe espaço para você deixar a empresa um pouco com a sua cara”, explica João Caetano. Pode até ser um discurso difícil de colocar em prática, mas no próprio escritório de São Paulo é possível encontrar um bom exemplo: a recente área de private equity foi criada a partir do interesse de um dos consultores pelo assunto.


Fonte: Na Prática

https://goo.gl/Siqzyr