Processo Seletivo 2018.2 -Oliver Wyman

Oliver-Wyman-processo-seletivo-2018-2.jpg

João Paulo Curado

Data da entrevista: Maio/2016

LinkedIn: https://goo.gl/mo4761


João Paulo Curado - Oliver Wyman

 

João Paulo Curado é um engenheiro de computação formado pela Unicamp em 2013 e que encontrou na consultoria uma carreira em que poderia exercer trabalhos de grande impacto em diferentes áreas. João tem diversas experiências internacionais e uma carreira bastante acelerada, trabalhando hoje como Gerente na Oliver Wyman.

Formação: Engenheiro da Computação (2008 - 2013)

Empresa: Oliver Wyman (2013 - Agora)

Cargo Atual: Gerente

 

CCU: Conte um pouco da sua trajetória acadêmica, suas experiências dentro e fora da Unicamp.

João Paulo: Entrei na Unicamp em 2008, em Engenharia de Computação. Sempre estive bastante envolvido no meio esportivo, e desde os primeiros meses participei da Atlética da Computação, como Tesoureiro e depois Diretor Administrativo. Olhando agora, vejo que foi uma experiência extremamente útil, me dando uma boa base para entender de finanças e contabilidade, aprendendo a trabalhar em equipe de verdade e a ser mais profissional.

Em 2011 fiz um ano de intercâmbio acadêmico na Technische Universität Darmstadt, (Alemanha), incluindo um semestre de estágio em desenvolvimento de software. E este foi provavelmente o ponto em que eu entendi que trabalhar como Engenheiro não seria a melhor escolha de carreira pra mim: apesar de ser tecnicamente interessante, meu estágio era muito específico, focado em uma parte pequena de um produto. Isso me deu vontade de fazer algo mais amplo, de mais impacto, menos específico. E desde que eu voltei do intercâmbio comecei a procurar outras opções – acabei me decidindo por consultoria, entrei na Oliver Wyman, fiz o último ano de estágio e fui contratado.

 

CCU: Das atividade extracurriculares que você fez, qual você recomendaria?

João Paulo: Eu particularmente acho que tem um bom valor participar de alguma entidade acadêmica, não só pra ter algo a mais pra colocar no currículo, mas também pelo que você acaba aprendendo, mesmo. Fiz parte da Atlética e acho que é tão válido quanto participar da Empresa Júnior, Centro Acadêmico, semana dos cursos, etc. São as primeiras situações em que você tem que ter um posicionamento mais profissional, e apesar de não parecer tão óbvio de cara, acaba te ajudando inclusive para dinâmicas e entrevistas de emprego depois.

 

CCU: Em relação com a sua experiência de intercâmbio. O que isso te ajudou no trabalho de consultor?

João Paulo: Em geral as consultorias sempre querem alguém que tenha alguma experiência internacional. No caso da Oliver Wyman, especificamente, é quase que obrigatório: em algum ponto você vai fazer algum projeto fora do Brasil.

Meu intercâmbio na Alemanha me ensinou a viver em outra cultura, e a conviver com gente muito diferente – o que a princípio me parecia mais fácil do que realmente é. Eu morava em um apartamento com outras 12 pessoas, dos quais havia 4 alemães e outros do Paquistão, Índia, China, El Salvador, Camarões. É impressionante o quanto conseguimos ser diferentes um do outro, mesmo em culturas aparentemente muito parecidas, como os demais latino-americanos. Com certeza essa experiência me deixou mais preparado para trabalhar em um ambiente que não é a minha zona de conforto.

 

CCU: Qual foi seu primeiro contato com a consultoria?

João Paulo: Meu primeiro contato foi assim que voltei de meu intercâmbio, em uma Semana da Computação. Eu estava querendo ver outras opções além de Engenharia, e diversas empresas foram palestrar, entre as quais uma consultoria estratégica. Comecei a ver ali uma oportunidade de fazer algo que fosse mais relevante, algo que tivesse impacto, que fosse mais dinâmico.

 

CCU: Conte um pouco sobre a Oliver Wyman. Existe um foco de mercado específico da empresa?

João Paulo: Oliver Wyman é uma consultoria de estratégia, que começou muito especializada em Serviços Financeiros anos 80, nos EUA, e cresceu adquirindo diversas consultorias em outras geografias e indústrias – hoje, somos 4 mil consultores em mais 50 escritórios no mundo. No Brasil, temos uma equipe crescente de 50 consultores e sócios, e clientes principalmente nos setores de Serviços Financeiros, Telecom, Varejo, Aviação.

É uma consultoria com um espírito bastante empreendedor, com uma cultura muito aberta, internacional e data-driven. Entendemos que para solucionar os problemas excepcionalmente difíceis que os clientes nos pedem para resolver, precisamos trazer pessoas excepcionais – independentemente de país, cultura, background acadêmico, carreira anterior, etc.

 

CCU: Conte um pouco de como foi sua carreira na Oliver Wyman depois do estágio. Como foi sua evolução e as responsabilidades adquiridas?

João Paulo: Na Oliver Wyman, a única diferença entre o trabalho requerido de um estagiário e de um consultor é o período disponível e o nível de supervisão do gerente. No meu caso eu tinha poucas matérias, aula só de sexta-feira à tarde, então trabalhava praticamente como se eu fosse um consultor mesmo.

Sobre progressão: como eu disse, a Oliver Wyman tem um espírito bem empreendedor, então se você for atrás realmente não tem muito limite. Entrei em 2013 como Estagiário, fui efetivado como Consultor e promovido a Consultor Sênior após um ano. Neste período investi bastante em buscar projetos fora do Brasil, e acabei ficando boa parte do tempo em projetos na Colômbia e EUA. Foi um período incrível em termos de aprendizado.

Em 2016 me tornei Gerente Associado, me especializando em Serviços Financeiros. Essa foi a principal mudança, em termos de responsabilidade, desde que comecei: além da parte de solucionar problemas, executar análises, fazer apresentações e lidar com o cliente, comecei a ter responsabilidades de gestão de equipe. Hoje estou como Gerente de projetos.

 

CCU: No seu caso, existe um equilíbrio saudável entre as vidas pessoal e profissional?

João Paulo: É um trabalho que cobra bastante, mas tem como conciliar a vida pessoal e profissional sim. Claramente não tem como sair todo dia às 18 horas e desligar, e alguns períodos demandam bastante dedicação, mas em geral sempre consegui ir na academia, fazer esportes, sair mesmo durante a semana – e fim de semana é sagrado.

 

CCU: Há algo a mais que queria acrescentar? Uma mensagem para os alunos?

João Paulo: Além de se preparar para o processo seletivo, pesquise bem o que é trabalhar em consultoria, as empresas no mercado, fale com amigos / conhecidos que estejam nesta carreira, discuta no CCU, etc. Para ter sucesso em consultoria (e mesmo para passar no processo seletivo) é preciso ter muita vontade, e entender muito bem as razões pelas quais você quer esta carreira pra você.


 Entrevista: Redação CCU